Estresse atinge mais as mulheres

shutterstock_123576964

Não dá para negar que a gente passa maior parte do nosso dia no trabalho. Muitas vezes, a pressão é tão grande e o ritmo tão frenético que sequer temos tempo de ir ao banheiro ou tomar uma água no refeitório, quanto mais se alimentar direito.

Essa rotina atribulada também atinge aos homens, entretanto,  parece que é o sexo feminino que está levando a pior. E cada vez mais cedo. Uma pesquisa realizada na Dinamarca, publicada na revista científica Occupational and Environmental Medicine, lançou um sinal de alerta especialmente para o estresse no trabalho, que teria um efeito mais devastador sobre a saúde de mulheres jovens, ampliando em 35% os riscos de danos cardíacos.

shutterstock_51861619

Isso é possível de entender já que, nas últimas décadas, a mulher vem acumulando inúmeras responsabilidades e perdendo qualidade de vida. Muitas não conseguem se exercitar, comem mal, fumam e não tem horas de sono regular. O resultado é o aparecimento de doença cardiovascular cada vez mais precoce.

Por isso, uma dica valiosa: sucesso é bom e todo mundo gosta, mas vale desacelerar. Por mais que o dia esteja puxado, programe intervalos em meio à suas tarefas, alongue o corpo ou relaxe um pouco. E essencialmente encontre tempo para atividades físicas e para momentos de lazer, além, é claro, de buscar uma dieta equilibrada. Fuma? Tente, ainda, deixar o vício de lado e, certamente, terá mais qualidade de vida.

Tabagismo: alvos fáceis demais

Coração e pulmão estão entre as principais partes do organismo atingidas pelo tabaco. Mas, os estragos não param por aí! Veja abaixo outros problemas causados pelo tabagismo.

Da cárie ao câncer

shutterstock_174317630

O tabagismo provoca vários estragos na região da boca. Além de modificar o hálito, a fumaça irrita a gengiva e pode facilitar o surgimento de cáries. Há também uma alteração nas papilas gustativas, o que afeta o paladar do fumante, e o aumento dos riscos de câncer de boca, apesar de ser menos prejudicial nesse aspecto que o charuto.

Trabalho com a nicotina

A nicotina aspirada pelo fumante segue para o fígado, onde é metabolizada. Por isso, esse órgão também está sujeito a desenvolver câncer.

Estômago embrulhado

Já foram encontrados resíduos de um agrotóxico chamado DDT em amostras do alcatrão que compõe o cigarro. O DDT irrita as paredes do estômago e pode levar o fumante a sentir náuseas. Além disso, uma parte das substâncias tóxicas do cigarro é metabolizada no estômago, o que pode gerar gastrite, úlcera e até mesmo câncer.

Circulação comprometida

A nicotina diminui a espessura dos vasos sanguíneos e o monóxido de carbono reduz a concentração de oxigênio no sangue. Assim, o fumante está mais sujeito a vários problemas relacionados à circulação, como aneurismas (dilatação de vasos sanguíneos que favorece os derrames), tromboses (entupimento de vasos), varizes e até uma doença chamada tromboangeíte obliterante, que afeta as extremidades do corpo, podendo levar à amputação de membros.

Chapa preta

shutterstock_154687589

Várias substâncias tóxicas presentes na fumaça fazem os tecidos dos pulmões perderem elasticidade, o que acarreta uma destruição parcial da estrutura desses órgãos. É isso que as chapas de pulmão dos fumantes – bastante escuras – mostram. Das mortes provocadas por bronquite ou enfisema, 85% estão associadas ao cigarro. O câncer de pulmão é ainda a principal causa de morte por câncer entre fumantes.

Risco de derrame

O cérebro também pode ser afetado pelas dificuldades de circulação causadas pelo cigarro. Os vasos comprimidos, a qualidade de sangue prejudicada e o aumento da pressão arterial podem resultar em derrame cerebral.

Infarto à vista

Um dos órgãos mais afetados é o coração. A ação da nicotina faz com que o corpo absorva mais colesterol. O cigarro também eleva a pressão arterial e a frequência cardíaca, que sobe até 30% durante as tragadas. Tudo isso é fator de risco para problemas no coração, tornando o fumante mais propenso a ter infartos.

Fonte: Mundo Estranho  – Abril

Por que fumar faz mal?

shutterstock_187473707

Você já deve estar cansado de saber que fumar faz mal à saúde, certo? Mas, você sabia que o cigarro pode causar cerca de 50 doenças diferentes, especialmente problemas ligados ao coração e à circulação, cânceres de vários tipos e doenças respiratórias? Parece papo de ex-fumante, mas é a pura verdade: em cada tragada são inaladas 4 700 substâncias tóxicas. Entre elas, três são consideradas as piores. São elas:

  • Nicotina, que provoca dependência e chega ao cérebro mais rápido que a temida cocaína, estando associada aos problemas cardíacos e vasculares (de circulação sanguínea).
  • Monóxido de carbono (CO), aquele mesmo que sai do cano de escapamento dos carros. Ele combina com a hemoglobina do sangue (responsável pelo transporte de oxigênio) e acaba reduzindo a oxigenação sanguínea no corpo.
  • Alcantrão, que reúne vários produtos cancerígenos, como polônio, chumbo e arsênio.

shutterstock_125701163

Todo câncer relacionado ao fumo – como na boca, laringe ou estômago – tem alguma ligação com o alcatrão. A união desse poderoso trio de substâncias na composição do cigarro só poderia tornar o produto extremamente nocivo à saúde. Para se ter uma idéia, 90% dos casos de câncer de pulmão – a principal causa de morte por câncer entre os homens brasileiros – estão ligados ao fumo.

Que tal se livrar do vício?

Agora, fique sabendo o que você ganha se ficar…

  • 20 minutos: a pressão sanguínea e a pulsação voltam ao normal
  • 2 horas: não tem mais nicotina circulando no sangue
  • 8 horas: o nível de oxigênio no sangue se normaliza
  • 2 dias: o paladar ganha sensibilidade novamente
  • 3 semanas: a respiração fica mais fácil e a circulação sanguínea melhora
  • 5 a 10 anos: o risco de sofrer infarto passa a ser igual ao de quem nunca fumou

Álcool e doenças do coração

shutterstock_167097482

O alcoolismo revela-se, cada vez mais, como um dos grandes vilões da saúde e, infelizmente, seu índice de mortalidade tem crescido entre os jovens. E se engana quem pensa que um dos órgãos mais afetados é o fígado. O coração também sofre várias avarias quando o consumo do álcool é exagerado.

Para quem não sabe, o consumo excessivo de álcool está associado a risco maior de infarto do miocárdio e miocardiopatia dilatada (insuficiência cardíaca). Por isso, a palavra de ordem é moderação. O consumo deve ser moderado (1-2 drinques por dia). Controlar os fatores de risco tradicionais também se faz necessário. São eles:

  • Colesterol,
  • Hipertensão e
  • Diabetes.

Existe algum benefício que o consumo controlado do álcool possa trazer ao coração?

Estudos epidemiológicos das décadas de 80 e 90 reforçaram as bases do que se convencionou chamar de “paradoxo francês”: a baixa incidência de doenças cardiovasculares na França, apesar da dieta rica em gorduras característica dos franceses. O hábito do vinho às refeições, universal na França, foi adotado como explicação para a existência desse paradoxo. Rico em certos flavonoides, o vinho teria propriedades antioxidantes que melhorariam a função vascular, reduzindo o número de ataques cardíacos e derrames cerebrais entre seus consumidores.

Mas, vinho é assunto para um próximo post.

O que acha?

 

Hormônios femininos e os problemas vasculares

shutterstock_31329193

Algumas doenças vasculares têm relação direta com hormônios femininos. As alterações na quantidade de hormônios durante a vida da mulher são muitas, como, por exemplo, durante a gestação e a menopausa.

Além disso, o próprio uso de pílulas anticoncepcionais é indicado como fator que influencia no desenvolvimento de doenças do sistema circulatório, como as varizes. Todos os anticoncepcionais orais e injetáveis são hormonais. Esses hormônios atuam na parede venosa, enfraquecendo e dilatando, e nos paciente com predisposição para varizes, agravam o quadro.

Fique atenta!

As mulheres com histórico familiar de trombose devem ter cuidado redobrado quando usarem as pílulas anticoncepcionais, pois estas favorecem a trombose. Deste modo é fundamental visitar regularmente o angiologista.

Cuide bem do seu coração no Inverno

shutterstock_135522284

Você já deve ter sentido na pele que o Inverno chegou e promete ficar. Mas, o que poucos sabem é que esta é a estação com mais registros de mortalidade por doenças cardiovasculares. Dados da American Heart Association (Associação Americana do Coração) apontam que o número de casos aumenta em 25% nessa época do ano.

Mas, por quê? – O risco de doenças cardíacas ocorre pelo contato com o frio. Nosso coração precisa trabalhar de forma mais pesada e a consequência, se a pessoa já estiver propensa a um problema cardiovascular, ele será antecipado.

O frio também eleva a pressão sanguínea e pode desencadear outras doenças cardiovasculares, como o Acidente Vascular Cerebral (AVC), anginas ou arritmias cardíacas. O choque térmico, ou seja, a variação súbita de temperatura, também é um agravante.

Não torne o inverno um convite aos maus hábitos

É preciso entender que a estação mudou, mas as mesmas rotinas saudáveis do verão podem e devem continuar. Praticar uma atividade física e ter uma dieta balanceada são fundamentais, mas não é necessário ser exagerado, um pouco de um alimento mais pesado não faz tanta diferença.

A atividade física deve continuar sendo feita com a mesma intensidade do verão, mas é preciso realizá-la com mais atenção, como fazer um aquecimento de, aproximadamente, vinte minutos e alongamento antes e depois do exercício.