40% da população adulta brasileira apresenta alguma doença crônica

101514753

Vejam que dado mais preocupante em relação a saúde…

“Cerca de 40% da população adulta brasileira, o equivalente a 57 milhões de pessoas, sofre de pelo menos uma doença crônica não transmissível (DCNT), segundo dados inéditos da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS). O levantamento, realizado pelo Ministério da Saúde em parceria com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2013, revela que essas enfermidades atingem principalmente o sexo feminino (44,5%).” – A informação foi retirada da matéria de Juliana Conte, publicada no site do Doutor Drauzio Varella. (Clique aqui para ler)

Entre as doenças crônicas não transmissíveis estão a hipertensão arterial, o diabetes, o colesterol elevado e a depressão.

Esses dados são realmente alarmantes. Já passou da hora de repensarmos nos nossos hábitos! A saúde e a qualidade de vida merecem mais atenção e cuidado!

Vale lembrar que essas doenças estão associadas ao consumo abusivo de álcool, ao tabagismo, ao excesso de peso e a má alimentação e ao sedentarismo.

Precisamos assumir a nossa responsabilidade começando com pequenas mudanças de hábito, como utilizar as escadas ao invés de elevadores, incluir mais frutas e verduras em nossas refeições e o principal: encarar o dia-a-dia e os problemas da vida com bom humor!

Informe da SBACV-SP sobre Aneurisma da Aorta na Revista Veja!

Veja a página da SBACV-SP (Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular de São Paulo) que será divulgada na VEJA SP – capital e interior neste final de semana. Este projeto, idealizado pela Regional São Paulo, inclui 7 matérias que devem ser publicadas quinzenalmente, ou com intervalos maiores dependendo da logística da própria editora.

A próxima matéria versa sobre Aneurisma de Aorta. Nas edições anteriores, foram apresentados temas como doença carotídea, TVP e pé diabético. Nas próximas matérias os temas serão: insuficiência venosa, , obstrução arterial periférica e linfedema.

unnamed

Meia elástica errada pode piorar ao invés de ajudar!

2841_Ampliadao são raros casos de pessoas que compram meias elásticas de compressão sem orientação médica. O resultado deste fato é que muitos se queixam de que a meia está apertada demais e logo desistem de usá-la.

Por isso, o ideal é contar com a ajuda de um especialista. Apenas um angiologista ou cirurgião vascular poderá prescrever a medida adequada para cada paciente. Embora a meia auxilie a diminuir o cansaço nas pernas, ela não deve ser usada por pessoas que não apresentem problemas de circulação venosa. Segundo o doutor Luiz Marcelo Aiello Viarengo, apesar de ser apertada, a meia elástica possui características de compressão, chamada de compressão graduada, que favorece muito a circulação venosa, protegendo o paciente em relação às varizes e aos sintomas delas decorrentes.

A compressão ajuda a bombear o sangue nas pernas com mais velocidade, melhorando o retorno do sangue para coração. Assim, a meia elástica não deixa a perna inchar, causando sensação de alívio e maior conforto.

No entanto, é preciso atenção: nunca compre a meia apenas pelo tamanho do pé! Lembre-se: a meia elástica de compressão é como um antibiótico. O médico é o único capaz de analisar corretamente qual deve ser a compressão da meia, tamanho e modelo, para que possam trazer resultados efetivos no tratamento.